Maratonas Aquáticas

A natação em águas abertas é uma tradição milenar. Pinturas rupestres e outras evidências apontam que, ainda na era pré-histórica, o homem aprendeu a nadar em rios, mares e lagos - nasciam assim as maratonas aquáticas.
 
O desafio de percorrer grandes distâncias a nado se acentuou a partir de 1875. Depois de falhar a primeira tentativa, o capitão inglês Matthew Webb finalmente cumpriu seu objetivo ao tornar-se, naquele ano, o primeiro homem a cruzar a nado o Canal da Mancha, após exaustivas 21 horas e 45 minutos de braçadas. Seu ato inspirou uma série de outros nadadores, que passaram a atravessar a nado diversos pontos do planeta.
 
Aos poucos, a disputa em águas abertas se popularizou e passou a ter competições organizadas. Várias são as distâncias das provas de natação em águas abertas, desde alguns metros (caso de provas em condições desfavoráveis, como em águas muito frias, ou de provas para crianças) até vários quilômetros, sempre em um circuito pré-determinado. Na prova Olímpica, os atletas devem cumprir uma distância de 10 quilômetros – o vencedor é o atleta que cruzar primeiro a linha de chegada. 
 
Em 2005, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que as maratonas aquáticas estreariam nos Jogos Olímpicos em Pequim 2008, como um evento da natação. Para os Jogos Rio 2016, porém, o esporte ganhou status de disciplina pela Federação Internacional de Desportos Aquáticos (Fina, em francês).