O que acontecerá com as instalações esportivas construídas para os Jogos?

Entre as quatro cidades finalistas do processo de escolha da sede dos Jogos de 2016, o Rio de Janeiro era a que tinha o maior número de instalações esportivas prontas. Das instalações necessárias para a realização do evento, 45% já existem, várias delas desenvolvidas ou reformadas para os Jogos Pan-americanos e Parapan-americanos Rio 2007. Outras 21% serão temporárias.

Dez instalações de competição serão construídas, o que equivale a 27% das instalações necessárias para o Rio 2016, e ficarão como legado permanente dos Jogos. Cada uma delas é ancorada em um plano comercial sólido, garantindo sua sustentabilidade de longo prazo e contribuindo para o desenvolvimento do esporte Olímpico e Paralímpico e para uma maior participação da comunidade.

O projeto estrutural de legado esportivo mais significativo da candidatura Rio 2016 é o Centro Olímpico de Treinamento (COT). O COT agregará duas instalações existentes desde o Rio 2007, além de outras a serem construídas e que integrarão o Parque Olímpico dos Jogos Rio 2016. Depois dos Jogos, o COT será a referência brasileira e continental para treinamento e capacitação de atletas de alto rendimento. A utilização de longo prazo do COT será garantida por meio de recursos provenientes do empreendimento comercial vizinho, que durante os Jogos Rio 2016 abrigará o Centro Internacional de Radiodifusão, o Centro Principal de Imprensa e um hotel.

Outro legado importante será o Parque Radical em Deodoro, que receberá as instalações de ciclismo (BMX e mountain bike) e canoagem (slalom). Após os Jogos Rio 2016, a instalação se transformará em um centro de esportes radicais, localizado estrategicamente em uma das regiões mais populosas e jovens do Rio de Janeiro. As instalações do Parque Radical também serão agregadas ao conjunto de instalações do COT, proporcionando oportunidade de treinamento nos mesmos esportes dos Jogos com a possibilidade de ampliação para outras modalidades radicais.